quinta-feira, 8 de abril de 2010

O que Houve com Freud após sua Morte?




Por Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo Clínico



Este texto é uma ficção. Perguntei a minha esposa: que aconteceria com a Psicanálise se Freud tivesse uma única experiência fora do corpo? Ele é baseado nas evidências clínicas nas induções de Retrocognições (Terapia de Vidas Passadas) em pacientes, dentro de uma contexto da Parapsicologia Clínica e nas minhas investigações pessois dentro da paranormalidade.

O que aconteceu com Freud depois que ele morreu?

A Psicanálise, uma das maiores forças da Psicoterapia [se é que podemos chamá-la assim] no mundo, sendo a área da teoria e prática em psicoterapia que mais aprofunda as questões da sexualidade, aprofundando a interpretação dos sonhos a partir de um ponto de vista não abordado por outros campos como o Parapsicológico e afins, chegou no seu ponto de lacuna. Sigmund Freud, seu criador, afirmara, em outras palavras que se deperava com um campo em que nunca tivera uma única experiência que pudesse dar um rumo mais coerente nas investigações dos sonhos típicos, especialmente os sonhos de vôo, queda e outros, como os sonhos lúcidos, assim como as experiências fora do corpo [projeções conscientes]. Freud só irá compreender esta lacuna no momento em que recebe a injeção de morfina, que motivou sua eutanásia.

Freud passara uma vida de dedicação a Psicanálise, tendo completado sua tarefa de vida de forma magistral. Mudou o mundo e pode ser comparado a Copernico, Galileu e Newton, Einstein. Acontece que algo ocorre com Freud quando ele morre de câncer aos 83 anos de idade, por uma suposta overdose de morfina [autanásia], devido as fortes dores associadas ao câncer. Quando Freud recebe a dose de morfina algo ocorre com ele.

O médico chega com a dose e injeta em Freud. Seu corpo começa a amortecer completamente, num formigamento global. Sua consciência se altera de forma brusca. Seu corpo começa a estremecer. Uma energia toma conta de todo corpo numa forma de vibração potente que o arranca para fora do corpo. Sua consciência gira em espirais para cima de seu corpo, deitado na cama do hospital. Quando ele percebe sua condição, ele se percebe flutuando acima de seu corpo, dado como morto. Freud se surpreende quando vê a si mesmo, deitado na cama e ao mesmo tempo, se percebe flutuando, vivo acima do corpo.

Freud olha ao seu lado e vê seu amigo, Josef Breuer lhe dar as boas vindas. Breuer lhe falou:

- Freud, os Metapsiquistas tinham razão. A psiqué sobrevive a morte. Erramos. Eis agora nossa tarefa meu amigo.

- Breuer, agora compreendo o que nunca compreendi, pois me faltava a experiência. Apesar de ler em Carrignton, nada me convencia, pois a experiência me faltava. Agora estou convencido de que eu sobrevivo, e de que eu não sou aquele corpo. E se eu sobrevivo, será que poderei retornar a outro corpo, retornar a vida humana, para reparar meu grave erro?

Breuer responde:

- Sim Freud. O tempo aqui não existe como compreendemos. Aqui os estudos são doutro nível e alcançaremos outros patamares de compreensão da psiqué e da vida psíquica. Venha comigo e te levarei a outro lugar.

Neste instante, Freud se despede mentalmente de seus familiares todos envolvidos com seu funeral e segue aos cuidados de Breuer para onde estaria lhe encaminhando. Breuer levou Freud para um campo aberto cuja existência se dava no espaço, longe das imediações da crosta da terrestre. Freud aparentava mais novo, não sentia mais dores ou manifestava qualquer ligação com as antigas idéias que defendeu e com o Planeta. Freud estava experimentando a vida extrafísica e espiritual pura. As pessoas eram pacíficas, fraternas e amorosas, num nivel de serenidade quase absoluta, tendo recebido Freud de forma muito amiga e acolhedora. Breuer se separa de Freud, este permanecendo neste local para começar a frequentar sessões de análise de seu processo evolutivo.

Um espírito anônimo o recebe em alto nivel de intimidade. Apresenta-se como seu amparador evolutivo, a pessoa que estava sob a responsabilidade de orienta-lo na tarefa de levar a Psicanálise para a Terra. Afirmou que sua tarefa foi completada e que dentro de todas as limitações dadas pelo momento histórico, conseguiu realizar sua missão de vida. Apesar do êxito, alguns traços de sua personalidade o impediram de aprofundar sua tarefa e avançar. O amparador afirma que Freud teria acabado por criar uma nova religião, o que não era sua tarefa. Freud ficou um tempo relativamente grande com este espírito, compreendendo-se a fundo e a suas experiências de vidas passadas. Começou com isto, a planejar sua próxima vida. E o amparador disse a ele:

- Freud, apesar de tudo, terás de recomeçar novamente a partir de experiência do Édipo. Terás de diferenciar-se da mãe, do pai, para que possas se libertar da ação potente destas pessoas. O pai e a mãe serão pessoas que tem questões pendentes a superar. O que tornará o Édipo mais potente e teu desafio mais intenso. A tua tarefa de vida depende da resolução bem feita deste Édipo. Encontrarás tuas proprias idéias e defenderá com fervor. Mas terá de transcender e questiona-las, para reformular e expandir para os campos cósmicos da existência, dando valor aos pensamentos cosmoficantes. Poderás se envolver com Medicina, Psiquiatria ou mesmo Psicologia, Parapsicologia e áreas afins. As coisas evoluiram na Terra. Hoje terás muitas opções. Mas os desafios serão maiores. Muitos gênios estão lá, então serás mais um. Enfrentarás tua vaidade e narcisicmo num nivel agudo, e se superar isto, poderá contruibuir com a evolução noutro nivel.

Freud fica pensando a respeito e analisa as condições ofertadas pelo amparador. Realiza suas conclusões e começa a elaborar seu projeto, ambos juntos. Vai conhecer os pais. E começa a ver o país que irá renascer. Em dado momento, começa a densificar-se, tornando mais energético, magnético e se aproxima do pai e da mãe, que já pensam em engravidar.

Numa bela noite, os pais, voltando de uma festa, vão para o quarto e fazem amor. No momento exato do orgasmo do pai, um jato de espermatozóides invade o canal da mãe e atinge o óvulo que imediatamente é fecundado. No momento exato da fecundação, um campo biomagnético é gerado pela aproximação do corpo psíquico de Freud aos corpos físicos do pai e da mãe. Um cordão magnético se forma e se une ao processo da embriogênese, impulsionando a formação fetal e ao corpo do feto. Freud terá o nome de Chang Yang, e está na China. Seus pais, Lee Yang e Yu Yang. Provincia de Wu. Ano 1952, dia 4 de março. Renasce Freud. Seu pai, pertence ao Budismo. Sua mãe, era gueixa e foi capturada de Beijin pelo pai e levada para Wu.



Extraído de:
http://fernandosalvino.blogspot.com/

Um comentário:

Dr. Fernando Salvino - Parapsicólogo Clínico ~ Parapsychologist disse...

Caro amigo,

Estarei adicionando seu Blog na lista de meus Blogs Parceiros.

Paz e Luz.

Fernando.